Proposta do governo frustra servidores na Mesa de Negociação

Bancada do governo/Foto: Marco Calzolari (18/12).

O governo informou que não há percentual de recomposição salarial para 2024. A declaração foi feita pelo secretário de Gestão de Pessoas do Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos, José Lopez Feijóo, na reunião da Mesa Nacional de Negociação Permanente (MNNP) realizada nesta segunda-feira (18/12).

O secretário também apresentou a proposta de reajuste, a partir de maio do próximo ano, do auxílio alimentação para R$ 1.000, do auxilio saúde para R$ 215 e do auxílio creche para R$ 484,90. Sinalizou com a possibilidade de recomposição para 2025 e 2026 de 4,5% em cada ano.

A bancada dos trabalhadores deixou clara sua indignação com a falta de perspectivas de recomposição salarial em 2024 e irá mobilizar as categorias a partir de fevereiro para reverter a situação.

A Pública Central do Servidor, a qual a ANFIP integra, somente podia ter um representante e no sistema de rodízio, esteve presente o coordenador do Grupo de Trabalho de Negociação Salarial, Paulo Menezes.

O encontro aconteceu na sede do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), em Brasília, e também contou com a participação de entidades do Fórum Nacional de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate), do Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe), e de outras centrais sindicais.

Foto: Bancada sindical.

Paulo Menezes, Secretário Geral do Atens e através da Pública Central do Servidor participando da sexta reunião da Mesa Nacional de Negociação Permanente (18/12).

Fotos: Marco Calzolari

Comunicação/Cal/Pública/2023

Rolar para cima