Search
Close this search box.

Governo envia à LDO emenda para garantir aumento real de 0,6% dos gastos

Senador Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), protocolou emenda para incluir na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2024 que o contingenciamento de despesas assegure aumento.

O líder do governo no Congresso, senador Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), protocolou emenda para incluir na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2024 que o contingenciamento de despesas no próximo ano garanta crescimento real dos gastos de pelo menos 0,6%, mesmo que isso signifique não atingir a meta de resultado primário.

Com isso, o governo tornaria oficial na LDO o entendimento do Ministério da Fazenda de que o novo arcabouço fiscal permite um crescimento mínimo de 0,6% dos gastos acima da inflação. A tese foi defendida na sexta-feira pelo ministro Fernando Haddad para justificar que o congelamento das despesas será de no máximo R$ 22 bilhões a R$ 23 bilhões.

“Não mudou nada em relação ao marco fiscal, o que foi aprovado estabelece que o dispêndio público do ano seguinte não pode ser inferior a 0,6% em termos reais, nem superior a 2,5% em termos reais. Como o Orçamento prevê 1,7% de dispêndio a mais do que este ano, das duas uma, ou vai migrar para 0,6%, se a receita não corresponder, ou vai subir para 2,5%, se corresponder. É isso desde sempre. Não tem novidade”, afirmou Haddad na sexta-feira.

Técnicos orçamentários da Câmara e parte dos especialistas do mercado financeiro discorda desta tese e defende que o contingenciamento terá que ser maior para garantir o cumprimento da meta de zerar o déficit primário das contas públicas já em 2024 (ou seja, gastar com as despesas primárias apenas o valor que é arrecadado).

Com isso, o bloqueio das despesas em março chegaria a cerca de R$ 50 bilhões. Na visão da ala política do governo, esse valor comprometeria os investimentos e o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Na emenda proposta à LDO, Randolfe justifica que o projeto foi enviado ao Congresso em abril, antes da aprovação do novo arcabouço fiscal (em agosto). Por isso, seria preciso ajustar as diretrizes orçamentárias ao novo cenário e “assegurar o montante máximo de limitação de empenho e de movimentação financeira deverá assegurar crescimento real de 0,6% ao ano”.

“Um dos principais objetivos do Regime Fiscal Sustentável, como se sabe, foi o de atenuar os ciclos econômicos por meio da criação de um mecanismo anticíclico de crescimento real das despesas primárias. Note-se inclusive que tal aspecto de se buscar estabilidade e proteção contra variações econômicas foi objeto dos debates no Congresso Nacional, tendo sido expressamente destacado nos Relatórios do Projeto de Lei Complementar nº 93/2023 editados pela Câmara dos Deputados e do Senado Federal”, afirmou o líder do governo na emenda.

A LDO deve ser votada até sexta-feira pela Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso Nacional. O relator, deputado Danilo Forte (União-CE), prometeu divulgar o parecer até terça-feira.

Fonte: Valor

Comunicação/Cal/Pública/2023

Compartilhe essa notícia
Últimas notícias da categoria:
Governo espera relatório para decidir sobre reajuste de servidores
3 de março de 2024
MEC lança Fies Social, que financia até 100% do ensino superior
16 de fevereiro de 2024
Dweck quer discutir contraproposta de reajuste com servidores este mês
5 de fevereiro de 2024
Filie-se

Traga sua entidade para a Pública

Faça parte da Central dedicada exclusivamente ao Serviço Público.

A filiação à Pública garante participação em um grupo forte, coeso, que compartilha dos mesmos ideais e objetivos em uma rede de proteção dos serviços públicos e dos servidores brasileiros.

Inscreva-se em nossa

Newsletter

Receba nosso conteúdo informativo diretamente em seu e-mail