Search
Close this search box.

Desenrola Brasil: especialistas dão dicas para renegociação direta com bancos

Faixa 2 do programa já pode negociar dívidas diretamente com instituições financeiras. 

A primeira etapa do programa Desenrola Brasil começou na última segunda-feira (17). Nesta fase, o público da faixa 2 do programa já pode renegociar dívidas diretamente com bancos, diferentemente da etapa que engloba a faixa 1, prevista para setembro, e que será utilizada a plataforma GOV.BR e na qual as instituições terão as renegociações garantidas pelo Fundo Garantidor de Operações (FGO).

Para a etapa atual, as instituições financeiras serão encorajadas a promover as renegociações por meio de incentivo regulatório. O governo estima que 30 milhões de pessoas serão beneficiadas nesse primeiro momento. Na faixa 2 estão os brasileiros com renda de até R$ 20 mil e dívidas de qualquer valor.

O E-Investidor conversou com especialistas a fim de apontar algumas dicas para aqueles que vão negociar suas dívidas junto às instituições financeiras com o incentivo do Desenrola Brasil. Recomendações relacionadas a um bom planejamento orçamentário e um estudo do montante de dívidas são recorrentes.

Conheça a própria capacidade de pagamento

Mesmo que as condições de pagamento de uma dívida tenham melhorado muito após uma renegociação, de nada vai adiantar se ela ainda assim não couber no orçamento. Ainda que o crédito com a instituição diminua ou os juros fiquem menores, se a parcela mensal for alta demais para os padrões do devedor, não será um bom negócio.

Conhecer esse valor total ajuda na hora de priorizar dívidas a serem renegociadas e pagas já que dívidas com custo efetivo total (CET) maior tendem a evoluir mais rapidamente quando há inadimplência. Como a primeira etapa do Desenrola Brasil se restringe à negociação direta com instituições financeiras, conhecer CET de dívidas com outras empresas, como de serviços de água, luz ou internet, pode ajudar a definir a priorização.

Condições de pagamento

Todo o planejamento de orçamento e levantamento do custo total efetivo de dívidas ajuda na preparação para a negociação. Este embasamento faz com que as contrapropostas sejam justificadas pela própria realidade financeira: pedir por abatimento de multas, juros mais baixos ou isenção de taxa, por exemplo.

Um bom levantamento da situação financeira anterior à negociação já ajuda a demonstrar a intenção de lidar com as dívidas. Mas além dele, um planejamento futuro passa boa impressão. “Mostre-se comprometido a resolver a situação de forma satisfatória para ambas as partes. Se possível, apresente um plano realista de pagamento que demonstre a sua capacidade de cumprir os compromissos financeiras”, indica Nayra Sombra, sócia da HCI Invest e Planejadora Financeira pela Planejar.

Ofereça valores de abatimento maiores

Aqueles que possuem algum dinheiro em sobra, como parcelas de 13º salário ou adicional de férias, podem utilizá-lo para barganhar melhores condições na renegociação, como esse pagamento garante à instituição a recuperação de uma parcela maior do montante total da dívida em um único pagamento.

Esses valores também podem ser incluídos no planejamento de pagamento. O consumidor que sabe que receberá algum rendimento adicional sugere que as parcelas de determinados meses sejam maiores. “Pode dar uma entrada e dividir o resto em parcelas ou o estabelecimento pode fazer parcelas flexível e variáveis de acordo com a situação. Em um mês tem um bônus, em outro o 13º e a pessoa consegue pagar um pouco mais”, afirma Sombra.

Busque uma proposta realista

Diante da complexa situação de inadimplência, algumas propostas podem fazer devedores se animarem. Vale, no entanto, buscar ser realista. As condições podem ser ótimas, mas o prazo de pagamento ruim; os juros baixos, mas a multa alta, por exemplo.

“Tente não se comprometer em uma nova proposta irreal. Sabemos que a ansiedade em limpar o nome é grande, que a pessoa realmente quer resolver a situação, mas tem que ir sempre com a realidade. Fazer uma negociação que vai caber no meu bolso, que vai realmente aliviar a situação”, diz Hellen Kato.

Comunicação/Cal/Pública/2023 

Compartilhe essa notícia
Últimas notícias da categoria:
Reforma tributária torna ‘Dia Livre de Impostos’ equívoco ainda maior
11 de junho de 2024
Mais eficiência e menos regalias
25 de janeiro de 2024
Liberdade de expressão não vale quando se veicula mentiras, diz Barroso
4 de dezembro de 2023
Filie-se

Traga sua entidade para a Pública

Faça parte da Central dedicada exclusivamente ao Serviço Público.

A filiação à Pública garante participação em um grupo forte, coeso, que compartilha dos mesmos ideais e objetivos em uma rede de proteção dos serviços públicos e dos servidores brasileiros.

Inscreva-se em nossa

Newsletter

Receba nosso conteúdo informativo diretamente em seu e-mail