Públiica - 12/07/2071 
Presidente Nilton Paixão da Pública faz uma reflexão para a comunidade dos servidores públicos
.
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
.
 
PÚBLICA - 01/11/2017 
Encontro Nacional da Pública recebe mais de 300 lideranças de todo país
.
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
.
 
 - 01/11/2017 
Curso inédito de negociação coletiva no setor público reuniu dezenas de dirigentes em Brasília
.
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
.
 
 - 13/10/2017 
Pública Paraná realiza evento com a Tv do Servidor
.
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
.
 
Pública - 13/11/2017 
Faça o Curso Online: “CURSO DE NEGOCIAÇÃO COLETIVA NO SERVIÇO PÚBLICO”
.
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
.
Pública - 13/07/2017
Lideranças de entidades do servidores repercutem aprovação da reforma da trabalhista
 
.
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
.
Divulgação

Após a aprovação no Senado Federal última terça-feira, 11/07, os impactos da reforma trabalhista estão sendo avaliados pelos dirigentes das mais diversas entidades representativas dos servidores públicos . Nesta  reportagem abrimos espaço para que algumas dessas lideranças apresentassem suas percepções iniciais acerca do tema.

Veja abaixo o que disseram Antonio Tuccillo, Antônio Carlos Fernandes, Rudinei Marques, José Gozze, Antônio Germano Soares e Aires Ribeiro:

 

Antonio Tuccillo - Presidente da Confederação Nacional dos Servidores Públicos

“A culpa do que está acontecendo também é nossa enquanto servidores públicos. Nós escolhemos mal nossos representantes. Ainda no meu tempo de presidente da Associação dos Funcionários Públicos do Estado de São Paulo, nós colocamos um candidato - servido público - para concorrer a Deputado Federal e outro candidato, também servidor público, para Deputado Estadual.

Naquela época nós tínhamos 240 mil associados e, mesmo depois de um longo trabalho divulgando cada um deles, nós tivemos sete mil votos. Então, na verdade, o servido público não é unido e nós temos que fazer este trabalho de conscientização.

Porque é de fundamental importância que coloquemos pessoas sérias, honestas, que vão defender o que é principal para a população e o que é justo para o servido público. Enquanto não o fizermos teremos de conviver com a precarização do servidor, com a precarização do serviço público, com a aprovação de reformas como a trabalhista, a terceirização, o teto de gastos e o que mais vai vir - como é o caso da reforma da previdência.

É necessário colocar um basta nisso por meio de uma união em torno de um projeto.”

 

Rudinei Marques - Presidente do Fonacate

“Nós estamos vivendo uma conjuntura de Estado capturado pelo mercado. É uma situação inusitada porque temos o chefe do poder executivo denunciado por crime de corrupção passiva - ou seja - um governo que está sendo questionado nas ruas e no poder judiciário se acha no direito de encaminhar projetos que subtraem direitos sociais conquistados ao longo de décadas, quiçá de séculos.

Na terceirização e na reforma trabalhista - que representam a precarização das relações de trabalho e da redução de direitos sociais - constatamos a inegável intenção de maximizar a lucratividade das empresas em detrimento do trabalhador.

Podemos tomar como exemplo o trabalho intermitente aprovado na reforma. Um absurdo. Um acinte. Não podemos aceitar que o trabalhador tenha de esperar em casa para ser convocado para uma jornada de uma a duas horas e o empregador faça essa convocação à medida da estrita necessidade.

Essa é a maximização ao extremo dos ganhos do capital em detrimento da pessoa humana. Conjugadas essas reformas: a reforma da previdência, a trabalhista e ainda a terceirização, nós teremos naturalmente o aumento da informalidade e a diminuição considerável para a previdência social - o que vai levar no longo prazo a implosão da previdência pública.

Por isso, meus amigos, nós precisamos centrar forças na união dos trabalhadores, na união das centrais sindicais e de todas as entidades de classe desse país para que consigamos vencer esse ataque sem precedentes contra os direitos sociais e trabalhistas do nosso país.”

 

José Gozze - Presidente da Federação das Entidades de Servidores Públicos do Estado de São Paulo

“O  Senado aprovou o texto principal da reforma trabalhista, que acaba com os direitos dos trabalhadores do Brasil e que há muitos anos foram resguardados pela Consolidação das Leis do Trabalho. O PLC 38/2017, de iniciativa do presidente Michel Temer, retiram direitos dos trabalhadores e flexibilizam as relações de trabalho trazendo um enorme prejuízo aos direitos conquistados. As medidas enfraquecem profundamente a Justiça do Trabalho e permitem que acordos coletivos prevaleçam sobre a legislação. O projeto acaba com a obrigatoriedade da contribuição sindical; diz que as negociações entre patrões e empregados se sobrepõem ao estabelecido na legislação; introduz a jornada intermitente; reduz o intervalo para o almoço; autoriza gestantes e lactantes a trabalhar em ambiente insalubre; cria demissão em comum acordo, com pagamento reduzido de FGTS e aviso prévio. Outra mudança é a permissão de jornadas de trabalho de até 12 horas diárias, entre outros absurdos.

Essa enorme perda de direitos atingirá profundamente os trabalhadores e isso não tem nada a ver com a melhora no desemprego como argumentam os defensores da aprovação da matéria. A principal bandeira desse governo é que o mercado de trabalho está deteriorado, e que essas medidas virão como soluções salvadoras para solucionar o problema do desemprego, mas ninguém alerta a sociedade que, com essas perdas, o cidadão ficará ainda mais suscetível aos índices de desemprego. Pois esse conjunto de medidas é, sem dúvidas, um desestímulo à formalização de postos de trabalho o que contribui para o aumento da exploração e deixa as pessoas diante de uma vulnerabilidade social ainda mais intensa, um retrocesso para um país tão desigual como o nosso.

Nas últimas décadas diversas ameaças foram feitas à classe trabalhadora e isso é consequência do nosso despreparo na hora de escolher nossos representantes políticos que legislam e comandam em todas as esferas do poder. 

Neste momento de tanta tristeza temos que assumir papéis de combatentes e guardiões dos nossos direitos, no caso da nossa classe, a de servidores públicos, a responsabilidade é ainda maior. Somamos cerca de 16,5 milhões de servidores e devemos questionar: onde está a nossa força? Alguns pontos contrapõe a nossa luta, um deles é a imprensa que, na sua maior parte, não aborda o impacto negativo das mudanças e parece trabalhar a serviço do Governo. 

Ir para o enfrentamento é nosso dever, e como líderes do funcionalismo, nunca deixamos de cumprir esse papel. Estamos nas galerias do Congresso, nos gabinetes dos parlamentares e na cidade inteira chamando os trabalhadores para as ruas. Mas sem a força popular os resultados ficam comprometidos. É preciso que cada brasileiro se coloque na luta para resguardar direitos conquistados a tanto custo. Por isso, quando sua entidade anunciar uma assembleia geral, uma manifestação de rua e a ação extrema, mas necessária, de uma greve, é importante que haja participação. Só assim teremos a chance de frear tantas maldades e tantos perigos aos nossos direitos e nossa sobrevivência!”

 

Antônio Carlos Fernandes - Secretário Geral da Pública e Presidente da Conacate

“Em uma triste inversão da parábola da montanha que pariu um rato, nós estamos vendo um rato parindo uma montanha. Mal fazendo a comparação, um congresso nacional debilitado como está, enfraquecido como está e comprometido como está - tomou uma decisão da magnitude dessa reforma trabalhista que vai afetar gerações de toda a sociedade brasileira. Não podia ter acontecido dessa forma.

Agora temos que pensar os próximos passos para fazer esse enfrentamento.”

 

Antonio Germano Torres Soares -  Presidente da Febrafisco

“A necessidade de reformas é inquestionável, seja a trabalhista, a previdenciária, a política e - principalmente - a reforma tributária. Nós entendemos que esta última sim, segundo o próprio relator do projeto, é a mãe de todas as reformas. Ela sim poderá tirar a crise pela qual o país está passando.

Agora, para executar as reformas que o país tanto necessita é preciso que tenhamos o mínimo de equilíbrio, um mínimo de estabilidade política. E o momento pelo qual nós estamos passando está longe de ser um momento de estabilidade e equilíbrio.

O que aconteceu no senado na última terça-feira, com a aprovação da reforma trabalhista, foi algo muito triste. Foi algo realmente de tirar as esperanças do trabalhador. Porque o projeto de reforma trabalhista chegou ao senado e lá mesmo no senado foram propostas - inclusive por membros da base do governo, mais de 200 emendas. 

E o senado, abrindo mão do seu dever e obrigação como casa revisora, simplesmente acreditou em um suposto acordo entre alguns membros do senado - que são da base do governo, e o presidente Michel Temer, de que este último enviará uma medida provisória corrigindo alguns pontos polêmicos.

Então o que se viu ontem foi terrível. O senado simplesmente chancelou a reforma trabalhista da forma como veio da Câmara dos Deputados. Nós não temos garantias, nem a menor certeza, de que o presidente Michel Temer fará essa medida provisória, pois não tem nada escrito em lugar nenhum. 

Muitos pontos polêmicos foram aprovados, entre eles, a questão do trabalho intermitente no qual o trabalhador ficará em casa à disposição do empregador e quando ele for convocado pelo empregador, em qualquer dia e a qualquer hora, ele vai trabalhar e ganhar apenas pelas horas efetivamente trabalhadas.

Ou seja, o empregado não pode se programar para fazer absolutamente nada porque ele está à disposição da empresa e - dependendo da carga trabalhada - ele terá a possibilidade de ganhar menos de um salário mínimo.

Há ainda a questão das grávidas e lactantes poderem trabalhar em áreas em que poderão ter sua saúde e a saúde de seu bebê afetadas. 

Esses e outros tantos pontos polêmicos foram aprovados. Quem perde com isso? Perde o trabalhador. Perde o povo brasileiro. 

Dizer que aprovar essa reforma trabalhista gerará empregos é uma falácia. Porque o que gera empregos é uma economia pujante, uma economia em desenvolvimento e uma economia que faz com que o empresário necessite de novos trabalhadores.

Infelizmente vimos este circo acontecer no Senado Federal e o que resta às Centrais Sindicais, aos Sindicatos, às Federações e às Confederações é se unirem cada vez mais em defesa do trabalhador na busca por um futuro melhor para nossos filiados, porque o governo que aí está demonstrou que não tem a menor preocupação com o trabalhador.

O empresariado está feliz porque vai poder agora aumentar a sua margem de lucro, pois vai poder brincar com o trabalhador ao passo que a segurança mínima deste último foi retirada.”

 

Aires Ribeiro  - Presidente da Confederação Nacional dos Servidores Públicos Municipais

“No dia 11 de julho, assistimos a mais um triste episódio na atual conjuntura em que se encontra a Nação brasileira. Vimos um Senado que sempre se pautou pela sua liberdade e prerrogativas de discutir as questões de interesse nacional - sejam aquelas emanadas pelo poder Executivo, do povo brasileiro, de seus membros e, principalmente, oriundas da Câmara dos Deputados. Um Senado que sempre proporcionou o amplo debate, o debate das ideias, das divergências de opiniões, amplo e democrático com a participação coletiva de um dos principais atores: a sociedade brasileira. 

A votação que aprovou a Reforma Trabalhista pelos senadores, por 50 a 26 e uma abstenção, sem as observações costumeiras de uma casa de leis, nos deixam perplexos. Demonstra o quão comprometidos estão com os seus próprios interesses os representantes no Congresso Nacional, além de priorizar interesses de grupos organizados minoritários que querem se proteger e se manterem no poder a qualquer custo. 

As reformas pretendidas, votadas e aprovadas, indiscutivelmente trazem um grande retrocesso nas relações de trabalho, fragiliza a justiça e a organização sindical, responsáveis pela proteção do elo mais fraco desta corrente que é o trabalhador. Reformas que transferem para o povo trabalhador o custo da ineficiência e da má gestão dos prefeitos, governadores e presidentes, que gastaram e se apossaram dos recursos públicos em benefícios próprios, dos partidos e de todo um bando de saqueadores dos cofres públicos. 

É lamentável ver políticos denunciados por corrupção presidirem sessões, serem articuladores na captação de votos sem nenhum pudor ou constrangimento aos olhos de todos numa postura de arrogância e soberba. Infelizmente, as mensagens transmitidas a toda a Nação são: “Bando de trouxas, eu que mando nessa suruba”. Maior que o prejuízo imposto aos trabalhadores fica o prejuízo moral e o descrédito nas nossas instituições, na classe política e na esperança de construirmos um País sério, com justiça, mais direitos aos menos favorecidos e fraterno.

 A rasteira que esses senhores deram no povo brasileiro não ficará impune. Pagamos um boi para não entrar numa briga, mas nenhuma boiada nos tira quando entramos. Não vamos parar até pôr todos os corruptos para correr e os bandidos na cadeia. Podem esperar pois estamos chegando. Somos como a aroeira que enverga mas não quebra. Somos brasileiros e não desistimos nunca. Juntos somos mais forte e unidos venceremos!”

 
 
 
Públiica - 12/07/2071 - Presidente Nilton Paixão da Pública faz uma reflexão para a comunidade dos servidores públicos  
.
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
.
 - 07/12/2017 - Pública Convida e Convoca junto com as entidades parceiras de todos servidores públicos  
.
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
.
Pública - 04/12/2017 - Após cobrança da Pública, Temer designa novos conselheiros eleitos da Funpresp  
.
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
.
Pública - 04/12/2017 - Especialista e dirigentes da Pública repercutem novo texto da Reforma da Previdência  
.
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
.
PÚBLICA - 01/12/2017 - Ações e trabalho parlamentar do movimento sindical dos servidores públicos foram decisivos para adiamento de votação da Reforma da Previdência  
.
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
.
 - 29/11/2017 - Pública propõe ação judicial contra propaganda do Governo que ataca servidores públicos  
.
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
.
 - 28/11/2017 - Eleições Asfoc-SN: Chapa Atuante é reeleita para o triênio 2018/19/20  
.
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
.
Pública - 13/11/2017 - Faça o Curso Online: “CURSO DE NEGOCIAÇÃO COLETIVA NO SERVIÇO PÚBLICO”  
.
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
.
 - 06/11/2017 - Seminário Internacional propõe debater esquema que desvia recursos públicos para bancos privilegiados.  
.
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
.
 - 01/11/2017 - Curso inédito de negociação coletiva no setor público reuniu dezenas de dirigentes em Brasília  
.
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
.
PÚBLICA - 01/11/2017 - Encontro Nacional da Pública recebe mais de 300 lideranças de todo país  
.
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
.
Pública - 20/10/2017 - Painel Ao Vivo sobre as instituições de ensino federal promovido por Atens e Proifes  
.
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
.
 - 13/10/2017 - Pública Paraná realiza evento com a Tv do Servidor  
.
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
.
 - 06/10/2017 - Fundada a regional da Pública no estado do Mato Grosso  
.
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
.
pública - 02/10/2017 - Líderes sindicais destacam importância simbólica da segunda denúncia contra Michel Temer  
.
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
.
 
 
   
   
  SAUS Qd 6 bloco k. Ed. Belvedere, 5º andar
Cep 70.070-915  Brasília - DF
.