26/6/2017 - Pública
  Fundada Federação dos Servidores Públicos Municipais do Rio Grande do Sul
   
 
DIVULGAÇÃO
 


Para Aida Maria de Souza, presidente da entidade, federação significa passo importante para unificação dos sindicatos de base

Os servidores municipais gaúchos ganharam uma nova representação na manhã de segunda-feira, 26/06, com a fundação da Federação do Rio Grande do Sul dos Servidores Públicos Municipais.

A nova entidade coloca o Rio Grande do Sul como parte de uma grande rede representativa criada pela Confederação dos Servidores Públicos Municipais (CPSM) da qual já fazem parte diversos Estados do país como São Paulo, Mato Grosso e Espírito Santo.

Na cerimônia de fundação estiveram presentes nomes importantes da luta pelos direitos dos servidores públicos brasileiro tais como o presidente da CPSM e diretor financeiro da Pública, Aires Ribeiro, e a presidente da federação fundada na manhã de hoje, Aida Maria de Souza.

Para dimensionar a importância da criação da nova entidade para os servidores gaúchos, bem como conhecer um pouco mais de sua presidente, conversamos com Aida logo após o evento.

Confira abaixo a entrevista na íntegra:
Redação: Conte um pouco de sua história no movimento sindical dos servidores públicos.
Aída: Trabalho há 27 anos na Prefeitura Municipal de São Leopoldo. Sou oriunda da área de educação. Por 17 anos estou no meio Sindical. Assumi o cargo de Secretária do Sindicato até chegar à presidência, cargo no qual estou hoje. Também já assumi o cargo de financeiro em outra Federação.

Redação: Qual o significado da fundação da Federação Estadual dos Servidores Públicos Municipais no Rio Grande do Sul?
Aída: A Fundação significa um trabalho sério voltado para unificação dos Sindicatos de base, principalmente no Interior do Rio Grande do Sul, que até hoje não consegue caminhar com suas próprias pernas por falta de apoio, incentivo e trabalho das Federações já existentes.

Redação: Como você vê a luta dos servidores públicos no Rio Grande do Sul?
Aída: Vejo como uma disputa injusta. Os políticos tentando tirar nossos direitos conquistados e vários Servidores públicos não tento oportunidade de ao menos poder lutar contra suas perdas, tendo que aceitar sem poder reivindicar.

Redação: O Estado do RS é um local no qual a Pública ainda não possui tanta penetração. Diante desse cenário, após a fundação da Federação, qual a sua perspectiva para o crescimento da Pública no RS?
Aída: Entendemos que o nosso trabalho é grande, pois nossa Central é nova. Mas temos perspectivas de um começo sério, acompanhado por todos os Servidores que queiram ter uma Central que realmente vai ao encontro dos mesmos. Pensamos em uma Central que nos una com muito trabalho e persistência. O Sindicato é de todos nós, tenho certeza que vamos chegar lá.

Redação: Como você está vendo as principais questões dos servidores públicos em âmbito nacional no ano de 2017?
Aída: É uma situação muito delicada e perigosa. Se os Sindicatos, Federações, Confederações e Centrais não fizerem um trabalho de buscar os Servidores e irem para luta, vamos todos perdermos nossos direitos e conquistas.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
05/10/2018
Em meio a crise, Goiás se destaca por pagamento em dia a servidores públicos

   
05/10/2018
Incorporação da gratificação – Cuidado para não perder o prazo!

   
05/10/2018
SINDICATOS DA PRF BUSCAM DEVOLUÇÃO DE CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PAGA INDEVIDAMENTE

   
05/10/2018
Candidaturas sindicais buscam espaço na política

   
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
     
  Primeira entidade sindical com Ouvidoria 
     
  Manual de Boas Práticas da Gestão Sindical
     
  Pública Pelo Público
     
  Fundação da Pública