24/5/2017 - Pública
  Diretor da Pública – Central do Servidor é agredido por coronel da PM durante protestos em Brasília
   
 
DIVULGAÇÃO
 


Polícia impediu que manifestantes acessassem o Congresso Nacional com violência física, balas de borracha, spray de pimenta e gás lacrimogêneo

O diretor da Pública – Central do Servidor e presidente da Fenastc (Federação Nacional das Entidades dos Servidores dos Tribunais de Contas do Brasil), Amauri Perusso, foi violentamente agredido por um coronel da PM durante a manifestação “Ocupa Brasília”, que ocorreu nesta quarta-feira (24). Amauri estava próximo ao caminhão onde discursavam Deputados e Senadores, quando foi surpreendido pelo coronel, que chutou com violência sua perna. Após ser atendido no local pelo Corpo de Bombeiros, o diretor foi levado ao pronto-socorro pelos colegas da Pública - Central do Servidor.

Em um cenário de guerra em Brasília, com direito a bombas de gás lacrimogêneo, spray de pimenta e balas de borracha, foi necessário que um dos bombeiros negociasse com a Polícia Militar, que não parava de atirar balas de borracha, para conseguir chegar ao local e atender o diretor.

Segundo o presidente da Pública, Nilton Paixão, a Central denunciará criminalmente o ato do coronel e irá acompanhar as investigações por parte da PM: “A Polícia Militar existe para estabelecer a ordem pública e não para agredir cidadãs e cidadãos. A Polícia do DF, sob o comando do governador Rodrigo Rollemberg, se utilizou de balas de borracha para atingir até mesmo mulheres grávidas”, denunciou Nilton Paixão.

O presidente disse ainda que a violência seguiu durante toda a manifestação. Os representantes das entidades presentes ficaram a maior parte do tempo abaixados ou cobrindo o rosto para tentar amenizar os efeitos do gás lacrimogênio. “A Pública, assim como as outras entidades, estava valendo-se de seu direito democrático de protestar pacificamente. Ainda assim, a Polícia jogava bombas contra o caminhão e atirava em direção a nós. Uma covardia sem fim”, completou Paixão.

Fonte: Sindilegis

 
 
 
 
 
 
 
 
 
19/01/2018
Em pouco mais de um mês, campanha #SeVotarNãoVolta já alcançou quase 300 mil pessoas nas redes sociais

   
19/01/2018
Fonacate e afiliadas deliberam novas ações

   
19/01/2018
ROSSO NÃO CRÊ NA APROVAÇÃO DA REFORMA E CRITICA ‘CAMPANHA CONTRA SERVIDOR’

   
19/01/2018
Caixa prevê aumento de 37% no salário anual de vice-presidentes

   
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
     
  Primeira entidade sindical com Ouvidoria 
     
  Manual de Boas Práticas da Gestão Sindical
     
  Pública Pelo Público
     
  Fundação da Pública