Deputado quer compromisso contra reforma administrativa de novo presidente

Em live que teve a participação de Celso Malhani, Diretor de Planejamento da Pública Central do Servidor e Diretor Administrativo e Financeiro da Fenafisco, o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) afirmou nesta quinta-feira (22), que a oposição deve exigir compromisso do próximo presidente da Câmara em não pautar o texto da reforma administrativa na Casa. “É importante que a oposição coloque esse tema no debate sobre a Mesa. Que busquemos um compromisso dos candidatos em não pautar essa matéria, deixá-la caducar”, afirmou o deputado durante a live “o que será do serviço público depois da PEC 32/2020”, promovida pelo Congresso em Foco em parceria com a Fenafisco.

Paulo Teixeira definiu a PEC como regressiva. “Ela é o desmonte do Estado brasileiro, e não tem nada na direção de aperfeiçoar”, comentou. “Não tem nenhuma proposta de aperfeiçoamento, apenas de retrocessos”. A conclusão do parlamentar segue a opinião de representantes do funcionalismo público e de juristas que participaram do encontro.

“A PEC 32 infelizmente cria a condição para que o servidor viva sobre constante ameaça dos cargos de liderança. E isso configura o fim da prestação do serviço público de maneira democrática e republicana à sociedade brasileira”, ponderou Celso Malhani, que é diretor administrativo e financeiro da Fenafisco. “Voltamos aos idos dos anos 30”.

A reforma administrativa proposta pelo governo federal poderá destruir a fórmula que impulsionou a melhora do Brasil nos últimos 30 anos, defende o presidente da Afipea-Sindical, José Celso. “O conjunto de PECs, e a PEC 32/2020 em específico, minam fundamentos que explicavam melhoria de desempenho do Estado brasileiro desde 1988”, disse o líder da entidade que representa os servidores do Ipea.

José Celso aponta que o Estado brasileiro não tem uma máquina inchada – e que opera, em 2020, com o mesmo volume de pessoal contratado à época da promulgação da Constituição, 32 anos atrás. Com o mesmo volume de pessoal, diz o professor, o funcionalismo público entregou mais e melhor. “Houve nos últimos 30 anos um ganho de produtividade e aumento de eficiência do Estado brasileiro na sua capacidade de oferecer políticas públicas, bens e serviços, e alargar serviços sociais”, comentou. “O Estado brasileiro deveria ser maior, em termos de pessoal ocupado, do que atualmente é .”

Para o professor, a proposta muda a maneira do Estado brasileiro de se relacionar com o mercado e a sociedade, mas não trará bons resultados. “Isso [a reforma administrativa] visa piorar, evidentemente, não só a configuração do Estado e do serviço público, mas do Estado prestar serviço à população, que será quem mais vai sofrer com a mudança.”

Para Adriana Schier, que é professora de Direito Administrativo e vice-presidente do Instituto Paranaense de Direito Administrativo, o texto da PEC 32 vai contra a jurisprudência existente no Supremo Tribunal Federal (STF). ” O que a PEC está fazendo em relação ao Regime Jurídico Único é afrontar uma própria decisão do STF que, mesmo em liminar, declarou o regime jurídico”. O STF definiu o tema em liminar ainda em 2007, considerando ilegal a Emenda Constitucional 19, que em 1998 buscou ampliar as formas de contratação do governo federal. A questão está pronta para ser deliberada pelo Plenário do STF.

Com a nova proposta, a professora analisa um novo ataque aos direitos já garantidos. “Não há fundamentação jurídica para que uma PEC possa retroagir àqueles que já obtiveram a estabilidade, que ingressaram em um período que vale a atual Constituição de 1988”, concluiu a professora.

O presidente do Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas do Estado (Fonacate), Rudinei Marques, apontou que a PEC cria uma série de fragmentações no serviço público. Questionado sobre como mudar a visão negativa que tem se atribuído ao funcionalismo público nos últimos anos, Rudinei apontou que a entidade tem buscado “desassociar os estigmas”do serviço público.

“Hoje há o dobro de entrega em áreas com o mesmo contingente”, afirmou o representante. Para ele, o governo não pode apenas pensar no aspecto econômico ao redesenhar a máquina estatal. “Não se pode fazer caixa com o sofrimento alheio”, disse.

Em suas conclusões, Paulo Teixeira disse que o momento é de “pintar a cara e ir para a guerra” contra a reforma administrativa. Já Celso Malhani apontou que o texto dificilmente será convertido em uma emenda à Constituição. “Esta reforma não passará, ela não tem conteúdo, e sua motivação é inclara. A sociedade perceberá isso no momento certo”, disse.

Assista a live na íntegra no link >>>>>>> https://youtu.be/aEJhFlB2bDo

Comunicação/Cal/Pública/2020

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*