Pública Central do Servidor presente no lançamento da “Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público”

Servidores públicos ganham frente parlamentar em meio à ameaça de perda de direitos

Alvo da reforma administrativa que está sendo discutida pela União e pela Câmara, o funcionalismo público reforça a sua representação no Congresso Nacional nesta terça-feira (3). É que será instalada nesta tarde a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público. Coordenada pelo deputado Israel Batista (PV-DF), a frente conta com a participação de 235 deputados e seis senadores e se propõe a discutir o papel e o aprimoramento do funcionalismo sem esquecer de direitos que têm sido questionados por parte da população, como a estabilidade dos servidores públicos.

“Em função das inúmeras propostas de legislações que dizem respeito diretamente ao conjunto de servidores e ao serviço público no Brasil, faz-se necessário e urgente um debate contínuo sobre o papel do serviço público e temas como negociação coletiva, direito de greve, combate ao assédio moral no ambiente de trabalho, Plano de Demissão Voluntária (PDV) e o Regime Próprio de Previdência. Também é fundamental trazer à discussão iniciativas que podem configurar em patente ameaça aos direitos e garantias de milhões de servidores e servidoras”, argumentou o Professor Israel no requerimento em que solicitou a instalação da frente.

O deputado apresentou esse pedido por perceber uma preocupação em relação ao tratamento recebido pelo funcionalismo público no atual governo e às discussões sobre reforma administrativa. E, diante disso, entendeu que seria necessário discutir as funções e as prerrogativas do funcionalismo para garantir que ele seja reformado de uma maneira que respeite direitos e assegure o caráter técnico do serviço público. “Há uma pauta persecutória ao serviço público por parte da nova gestão do Brasil. Está se construindo uma narrativa de demonização perante a opinião pública, que é injusta com o serviço público. Nós vamos combater isso para que o serviço público seja aperfeiçoado e não destruído”, explicou o Professor Israel.

Ele ressaltou que defende a necessidade de ajustes no funcionalismo, para garantir que ele seja cada vez mais eficiente e produtivo. Mas entende que temas como a estabilidade e a remuneração do serviço público precisam ser melhor discutidas. “É claro que temos que ter formas de avaliação para garantir a eficiência do serviço público, mas a estabilidade existe para evitar que o estado navegue a mercê das vontades políticas dos governantes de plantão. É necessário que haja um corpo técnico ligado independente do governo. Por isso, é um risco o fim da estabilidade”, argumentou o Professor Israel, que também defendeu a remuneração do funcionalismo, que para muitos é alta demais, dizendo que os servidores públicos normalmente são mais qualificados que os da iniciativa privada e, portanto, devem ser bem remunerados.

Outra questão defendida pela deputado é a realização de concursos públicos que possam cobrir o déficit de pessoal nos órgãos federais. Por isso, a frente ainda deve discutir o congelamento de concursos proposto pelo governo. “Há formas de fazer um serviço público mais eficiente e mais barato. A restrição orçamentária não impede isso, deve nos incentivar a buscar soluções, pois a solução não pode ser simplista, não pode acontecer apenas por cortes”, garantiu o coordenador da frente.

Por conta disso, a Frente em Defesa do Serviço Público promete promover debates sobre o assunto com parlamentares, servidores e especialistas sobre o assunto para apresentar sugestões de aperfeiçoamento do serviço público que atendam a todos os interesses. O lançamento da iniciativa, nesta terça, por exemplo, vai contar com a participação do presidente do Fórum Nacional de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate), Rudinei Marques; do Presidente do Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo Federal e do Tribunal de Contas da União (Sindilegis), Petrus Elesbão; e do coordenador da Frente Associativa da Magistratura e do Ministério Público (Frentas), Angelo Fabiano.

“A intenção é apresentar soluções inovadores e projetos de lei e pautar esse assunto, pois não temos medo de ir para o debate”, destacou o Professor Israel. Ele ressaltou ainda que a frente nasce robusta, com mais da metade da Câmara e representantes de 23 partidos diferentes. E, por isso, terá uma posição representativa nos debates sobre a reforma administrativa, que o próprio presidente Rodrigo Maia tem defendido.

Deputado Federal Alessandro Molon (Rede)

O Deputado Molon que também é servidor público, reforça: “queremos que o serviço público seja tratado com o respeito que merece. Se o país passa por dificuldades e necessita de sacrifícios, os servidores sempre foram os primeiros a contribuir com o Brasil.”

Deputado Federal Paulo Pimenta (PT)

O Deputado Paulo Pimenta diz “servidores e servidoras, não acreditamos numa visão de estado soberano sem que tenhamos um serviço público de qualidade, em todas as áreas, nas carreiras de estado, das áreas estratégicas para o funcionamento da união, mas também das áreas de ponta, aquelas áreas em que muitas vezes a possibilidade de uma vida digna do cidadão depende da presença do estado, dos seus servidores. Estamos juntos nas mesmas trincheiras nesse momento tão difícil e ao mesmo tempo tão desafiador. A palavra de ordem é resistência.”

Deputada Federal Erika Kokay (PT-DF)

A Deputada Erika Kokay pede uma reflexão e uma volta às origens dos brasileiros. Eles atacam a estabilidade do servidor para fragilizar a atuação dos servidores e servidoras e impedem que haja um processo negocial que possa colocar na mesa os interesses legítimos de servidores. Nós estamos aqui para dizer que a estabilidade é boa para o estado e para que esse país seja soberano temos que valorizar os seus servidores e o serviço público.”

Deputado Federal Paulo Teixeira (PT-SP)

O Deputado Paulo Teixeira relembra a sua infância em que era aluno em um colégio em que sua mãe era a Diretora. Diz que “não precisamos buscar em outros países os melhores exemplos se servidores e que temos no Brasil servidores talentosos e preparados para o grande desafio que é servir os brasileiros. O que esse governo quer é desmontar o estado de bem estar social. Quero prestar a minha homenagem a vocês servidores e servidoras, dizendo que estamos juntos nessa árdua batalha em favor da manutenção dos seus e nossos direitos.”

Veja aqui os deputados e senadores que integram a Frente em Defesa do Serviço Público


O presidente da Pública, José Gozze fala sobre o 4º ano de existência da Pública Central do Servidor e “que já estamos representados por mais de 18 Estados da Federação. Estamos unindo entidades Federais, Estaduais e Municipais dos Três Poderes. Temos visto nas andanças pelo Brasil e percebido como o servidor público está preocupado com a demonização imposta por um governo que o vê como privilegiado, esquecendo da da sua importância para oferecer um serviço de qualidade ao cidadão. Como prescindir de servidores e servidoras que estudaram e se sacrificaram na preparação de suas carreiras com dedicação? Precisamos resistir e juntos encararmos esses desafios impostos por um governo que definitivamente não olha pelos seus.”

A Pública por intermédio de sua diretoria vem se empenhando muito no acompanhamento e participação nos projetos que visem a proteção dos direitos dos servidores públicos e da sociedade brasileira. A aproximação cada vez maior com os parlamentares que lutam por essa causa vem facilitando e muito a visibilidade da Central do Servidor em torno da união dos seus diretores em vários estados brasileiros, conferindo à entidade protagonismo num momento tão delicado do país. Só ontem (3/9) foram dois eventos, um deles de suma importância em torno da reforma da Previdência que continua em voga. A Pública não cessará os seus esforços para manter unidade em todas as regiões, uma das metas da gestão do presidente José Gozze.

Fotos: Marco Calzolari/Comunicação/Pública/2019

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*