Já passa da meia-noite e no Plenário da Câmara dos Deputados, a Sessão Deliberativa Extraordinária continua efervescente

Deputado Helder Salomão (PT-ES)

“O esforço do governo tem uma razão muito simples: O Governo tem  compromisso em aprovar uma reforma que vai agradar ao mercado financeiro e aos grandes bancos, mas quero lembrar que esta proposta de reforma do governo vai penalizar os trabalhadores brasileiros, vai impedir que a maioria se aposente, vai prejudicar as mulheres, professores, as professoras, os trabalhadores rurais e vai diminuir os benefícios  daqueles que mais precisam desse país. Quem vai pagar a conta mais uma vez serão os trabalhadores. Por isso vamos lutar contra esta reforma, reforça o Deputado Helder Salomão. “

“Nós precisamos fazer um alerta, pois a grande maioria dos parlamentares não sabe a gravidade do conteúdo desse relatório em relação aos que estão na base de pirâmide. Existe uma pegadinha nessa reforma que o Fundo de Previdência do Servidor, o FUMPRESP,  era gerido por uma entidade de Previdência complementar fechada de natureza pública e no relatório saiu a exclusividade de entidade de Previdência complementar aberta e se tirou o natureza pública, portanto o sistema financeiro que perdeu com a saída da capitalização, ganhou do outro lado. O que se tira de um canto se bota em outro.  Enquanto isso estamos vendo cada vez mais o achatamento da aposentadoria e nós, colegas deputados e deputadas, teremos que prestar conta sobre as nossas decisões. Temos que acordar, pois seremos demandados por  nossas posições, avisa categoricamente o Deputado André Figueiredo.”

“Todos chegaram aqui democraticamente pela eleição do povo e que tenhamos o direito de debater amplamente, que a sociedade possa conhecer de forma profunda o debate que importa aos seus direitos. Ninguém que é contra essa reforma teve espaço nos debates da grande mídia e aos seus dados verdadeiros. Todas as bancadas devem ter o direito de levantar com calma e profundidade os seus debates.  Aqui, quando estamos votando a reforma da Previdência , sabemos que o que está em pauta é o seqüestro dos direitos da população mais pobre desse país”, aponta a Deputada Jandira Feghali.

Questiona o Deputado Alessandro Molon: “É justo fazer com que um trabalhador que ganha algo em torno de Dois Mil Reais deixe para o seu viúvo ou sua viúva pouco mais de Quinhentos Reais, depois de ter trabalhado ao longo de sua vida para proporcionar um pouco de segurança para a sua família? Alguém ousaria dizer que essa proposta é justa?”

A Pública Central do Servidor continua ligada ao que está acontecendo no Plenário da Câmara dos Deputados, na discussão do parecer da reforma da Previdência em curso, mantendo informados os Servidores Públicos e toda a sociedade brasileira.

Pública/Comunicação/2019

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*