O presidente da comissão especial diz que o Governo não tem maioria para a reforma da Previdência.

Responsável por analisar a proposta da reforma da Previdência, o deputado federal Marcelo Ramos (PR-AM), presidente da comissão especial do projeto, afirmou, nesta segunda-feira, 20, que o governo não tem maioria para aprovar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC). Apesar disso, ele pontuou que o Congresso irá liderar o processo, uma vez que “o País não pode ficar refém dessa situação”.

Ramos, que aponta a reforma como crucial para o equilíbrio das contas públicas, diz que é preciso “isolar os problemas com a postura do governo e fazer o que tem que ser feito para o Brasil, que é fazer a reforma andar. Independente do governo, vamos fazer a reforma andar”.

Estimativa

Segundo o presidente da comissão, Jair Bolsonaro (PSL) não tem apoio de mais que 200 deputados. O número para aprovação em dois turnos é de, no mínimo, 308, na Câmara.

Ele afirma, ainda, que as demonstrações de Bolsonaro, desde a época de deputado, “são de desprezo pela democracia”. Ramos vê que estas, agora, são “reafirmadas”.

“Agora precisamos isolar essa atitude antidemocrática e de pouco respeito às instituições e não deixar que o País paralise por conta dessa postura”, elabora. Recentemente, o presidente do País afirmou, na Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), que o problema no Brasil é a classe política.

Comunicação/Pública/2019

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*